Jogos Vorazes, pero no mucho




Escrito por Edu Sama
      Bom, fiquei com a missão de escrever uma avaliação sobre uma coleção de livros que tem vendido horrores nos últimos tempos, e claro, nós do Covil Geek, não poderíamos deixar passar essa oportunidade.
Jogos Vorazes, da autora Suzanne Collins, foi publicado em 2008 (como de praxe lançado um ano depois aqui no Brasil) alcançou a marca de 36,5 milhões só nos EUA. Stephen King classificou

como um bom, afirmando em sua resenha para o Entertainment Weekly“ não consegui parar de ler”, mas vamos à avaliação do Covil, pois é isso que importa (pelo menos pra mim).
      O livro é anunciado por muitos como o sucessor de Harry Potter e Crepúsculo, e bem, não é bem assim: eu classificaria o livro pra uma faixa etária um pouco maior que Crepúsculo, que honestamente só teve a comparação por existir um triângulo amoroso na história, algo comum e bem batido na maioria dos livros, e a protagonista mulher. Fora esses dois detalhes, a escrita é muito mais dinâmica e movimentada que qualquer uma da saga Crepúsculo (sim, eu li, e posso falar), é basicamente um livro de ação, muito influenciado pela cultura dos gladiadores romanos.
      Quanto a Harry Potter, acho que se distancia principalmente no fato de Jogos Vorazes ter uma temática social mais forte. O livro trata de uma maneira simples, mas ainda assim bem trabalhada, sobre a luta de classes e a instabilidade de um sistema de dominação (se você quer que seu irmãozinho, ou primo mais novo, ate caso você, não tenha entendido V de Vingança, leia esse livro antes que ele te dará uma ideia básica do que o filme e a HQ querem dizer), ele seria um Harry Potter a partir do quarto livro da série, pra um publico com mais de 12 ou 13 anos.
Bom, eu daria uma nota 7 pro livro, caso você tenha mais de 16 anos, e uma nota 8,5 se você for mais novo que isso. Jogos Vorazes é extremamente recomendado pra quem leu Battle Royalle e achou ele muito violento, ou simplesmente quer uma versão mais “tranquila” girando em torno daquela ideia.