Covil de Livros 05 – O Retrato de Dorian Gray

Bem-vindos ao Covil de Livros! No programa de hoje, Basso, Edu e a convidada especial Julia discutiram um dos mais importantes romances da literatura inglesa: O Retrato de Dorian Gray. Escrito por Oscar Wilde, teve sua versão definitiva publicada em 1891, tendo sido incluído seu polêmico “Prefácio”.

Neste podcast são analisados os três personagens principais do romance, a questão do sobrenatural na obra, sua importância para a ruptura com o modelo de arte vigente na época e, principalmente, as metáforas que o retrato em si representa.

ALERTA DE SPOILERS!

Para assinar o nosso podcast no Itunes, vá para:
Covil de Livros no Itunes
Para ver nosso feed ou adicioná-lo por e-mail, vá para:
http://feeds.feedburner.com/covildelivros
Curta o Covil Geek no Facebook!!!
Deixe comentários sobre o que você achou do programa! Ou mande um e-mail para contato@covilgeek.com.br

  • E aí, pessoal?! Estou ouvindo agora o episódio e gostaria de fazer uma observação. Na verdade, esse interesse que o Basil sente pelo Dorian só é velado porque a editora foi obrigada a fazer cortes no livro antes de sua publicação, justamente com o intuito de esconder os trechos em que Oscar Wilde tratava da homossexualidade de maneira mais aberta. Inclusive, recentemente foi lançada a versão sem censura da história: “The Picture of Dorian Gray: An Annotated, Uncensored Edition”.

    Fora isso, parabéns pelo podcast.

    • coviloficial

      Humm, isso explica bastante coisa. Você leu a versão “sem cortes”?

  • Hélio Galdino

    A leitura desse livro não é tão simples assim não… O autor passa muito tempo descrevendo os ambientes, isso se torna cansativo. Praticamente 50% do livro é de descrições…

    • Olá, Helio.
      Eu não diria que 50% do livro é descrição, mas ele tem uma boa parcela disso sim. Primeiro, isso era recorrente na época do lançamento do livro (1891) devido a escola do Realismo/Naturalismo; segundo, porque o livro discute muito sobre aparências, imagem, “o belo” etc, então as descrições dos ambientes acabam fazendo parte da estratégia de inserção do leitor. Pelo menos é o que eu acho… mas no balanço geral, vc gostou do livro? Ou achou ele bom?

      • Hélio Galdino

        É um bom livro, gostei sim. Mas como ponto negativo, ressalto as cansativas descrições.

  • Guest