Na Tevê – Doctor Who

por Ricardo Branco

 

Como uma série com mais de 50 anos, 36 temporadas e 12 atores diferentes fazendo o mesmo papel pode ser um sucesso tão grande e ter fãs tão fieis? A qualidade do roteiro, boas atuações e uma criativa forma de tratar história e Ficção Cientifica pode ser a resposta. Não sou um grande fã da série, não vi os episódios de 1963 até hoje, tão pouco todas as 7 temporadas dessa nova fase, mas vi todos os episódios de listas de melhores e vários outros sortidos, portanto relatarei o que eu achei e porque devem assistir.

Doctor Who já é patrimônio histórico Inglês. Lá ele é adorado e cultuado a ponto da população ter clamado sua volta no hiato de 1996 até (pelo jeito definitivamente) em 2005, com doações em dinheiro e apoio de grandes nomes britânicos.

A BBC foi obrigada a trazer o Doctor de volta, reformulado, mas sem perder as características. Você pode estranhar no começo quando ver um episódio e ele parecer ter sido filmado na década de 80, mas esse tom “trash” é proposital e de fácil aceitação.

Feito com episódios únicos que se fecham em si (na maioria das vezes), a série agrada pelo fato de não precisar necessariamente acompanhar todos os episódios para entender a história. Por trás existe a vida do Senhor do Tempo, o Doctor, e seus “companions” (suas acompanhantes), ambos muito interessantes e cheios de personalidade. No decorrer dos episódios, você acaba querendor ver e entender mais sobre esses personagens que são tão cativantes.

Alguns episódios são difíceis de ver, por não serem tão interessantes, porém alguns são tão bons que você vai sempre querer ver mais um. Roteiristas como Neil Gaiman fazem parte do projeto e deixam os episódios com tons diferenciados e únicos.

O Sci-fi é o ponto forte: tudo tem uma explicação, por mais louca que seja. O uso da TARDIS (a cabine telefônica/nave interspaceandtime de Doctor), que move os episódios para o tempo e espaço desejado, facilita aos roteiristas brincar com a história e promover um novo ponto de vista sobre a ciência.

Eu recomendo muito começar a ver pelos episódios indicados em milhares de listas pela internet. Esses são muito bons e lhe fará ter a vontade necessária de procurar mais e mais sobre esses personagens. Não é fácil começar a ver, mas é gratificante, já que os episódios e as personalidades são fortes o suficiente para prender sua atenção. Porém, se depois de 3 ou 4 episódios de uma lista de melhores não te satisfazer, então pode deixar pra lá, afinal a ação e o humor de Doctor Who não é para agradar qualquer um. E não seja um fã Xiita, a série é boa, mas não é a oitava maravilha do mundo para mim.

 

– Vale a pena ver os episódios, ditos como melhores, e se gostar, acompanhe a oitava temporada que está começando e periodicamente veja mais das outras.

– Rolando o dado: não consegue sair mais do que 14 no d20, é muito legal, mas nada demais, porém, se você gosta de humor inglês, Ficção Cientifica e um toque de “trash” (ou simplesmente não gosta de ficar de fora do que todo mundo fala, comenta e faz citação em todos os lugares), adicione um d8 que você vai gostar.