Covil Geek na Comic Con Experience !!!

Por: Adriano Harris

Antes de iniciar o texto, acho válido dizer que a cobertura completa e detalhada do Covil Geek na Comic Con Experience esta no nosso podcast que você pode conferir AQUI. É lá que você terá as experiências e opiniões não só minhas, mas também do Edu e do Basso, que foram meus companheiros de cobertura. E não deixem de conferir também a galeria de fotos do evento nesse LINK.

Eu já disse em outros textos e podcasts o quanto eu adoro a San Diego Comic Con. Para mim, essa convenção sempre foi a melhor ideia de evento que existe. Eu me lembro de todo ano acompanhar Twitter, Facebook pages, sites, tudo o que estaria cobrindo a SDCC, eu não queria perder nenhum detalhe. E os vídeos, pelos Deuses antigos, eu sempre assistia vislumbrado os vídeos feitos nessa convenção. E sempre aquela sensação amarga de que nunca tínhamos nada do tipo aqui no Brasil. Não me entendam mal, temos MUITOS eventos legais aqui, só não temos uma Comic Con. Bom, não até esse ano…

foto1

Não me lembro bem quando eu vi o primeiro anuncio do pessoal do Omelete sobre a Comic Con Experience, mas me lembro de acompanhar durante meses e meses todas as atualizações deles sobre o assunto. Era um projeto ambicioso. Promessas grandes, convidados, estrutura, atrações, eles prometiam nos dar a experiência mais precisa possível de uma Comic Con. Ao longo do ano vi confirmações e cancelamentos. Tive sentimentos mistos sobre o evento, me empolguei com a empolgação dos caras e torci para que tudo desse certo, e também cheguei a duvidar e achar que eles estavam voando muito perto do Sol, que trazer os artistas do momento para uma convenção que estaria debutando no Brasil não seria assim tão fácil e que no fim teríamos um desfile de estrelas do passado, que aceitaram vir apenas por não ter mais nada em suas agendas. Mas o tempo passou, a estréia do evento já estava batendo em nossas portas, e para minha alegria/alivio, parecia que tudo tinha dado certo. Restava então ver se na prática o evento seria essa Coca-Cola toda que o Omelete queria. Será que a hashtag que tomou conta da galera nerd realmente valeria ? Seria mesmo Épico ?
Eu cheguei em São Paulo na Quarta-Feira a noite. 4 Horas de viagem. A sensação de que não há músicas o suficiente para aguentar a chatice de 4 horas de estrada. Mas também a empolgação. Incontáveis vezes eu já fiz esse caminho, indo a São Paulo para algum evento. Mas dessa vez era diferente. Eu não tinha ideia do que me aguardava. Como seria essa CCXP ? Eu acho que já estou a tanto tempo indo a eventos que já construiram sua base, que eu esqueci como era o feeling de algo estreando. De poder ver um evento novo nascendo.
Chegando em Sampa, fui recepcionado pelo Edu, que me acompanhou nos dois primeiros dias, logo mais o Basso se juntou a party, me acompanhando no Domingo. Como os detalhes de cada dia estão no podcast que eu mencionei no começo, vou esquematizar esse texto de uma maneira diferente.

O Evento

Foi a primeira vez que eu visitei o Centro de Exposições Imigrantes. Achei o lugar perfeito, com estrutura o suficiente para receber eventos de grande porte. Totalmente fechado e climatizado, não importava se estava fazendo um calor terrível ou caindo um temporal, lá dentro sempre mantinha o conforto. Os últimos eventos que cobri eram extremamente vulneráveis a clima, o que não era só ruim pra quem ia lá para apenas visitar, mas também para cosplayers, por exemplo. Ninguém merece usar cosplay e passar calor absurdo ou frio, ou ficar debaixo de chuva enquanto está na fila para entrar, né ?
Dentro do salão, os estandes estavam muito bem distribuídos. Havia bastante espaço para andar por lá, mesmo nos dias mais cheios. Claro, dentro das lojas, era outra conversa. Entrar na Comix ou na Panini no Domingo muitas vezes era tarefa impossível, mas esse é um problema comum nessas situações, sinceramente não vejo isso se resolver tão já.
E falando em espaço, a área de alimentação merece destaque. Mesmo nos horários mais cheios, sempre tinha onde sentar. Sei que isso parece besteira para se comentar, mas não é. Esse ano mesmo, em outro evento que fui, a área reservada para alimentação era tão pequena, que as cadeiras sempre estavam todas ocupadas, a área aberta em volta já estava toda ocupada com pessoas comendo EM PÉ, e eu e meus amigos estávamos comendo, de pé, do lado da lata de lixo, que foi o único lugar que tinha sobrado. Um evento permitir isso é muito idiota.
Havia muita coisa legal acontecendo pelos corredores. Muita coisa mesmo, as vezes, até ao mesmo tempo. Enquanto eu curtia alguma coisa bacana num canto do salão, eu perdia alguma outra coisa que eu só descobria depois vendo fotos de outros jornalistas. Não que isso seja ruim, de maneira alguma. A ideia de coisas legais aleatórias acontecendo em todos os cantos do evento, entretendo todo mundo não importa onde estejam é perfeito !!!
Um exemplo disso foi que eu consegui ver o Darth Vader tendo um lero com um drone da Millenium Falcon:

Mas enquanto isso acontecia o Affonso Solano e um cosplay perfeito do Espadachim de Carvão faziam umas zueiras bem legais no estande da Leya. Coisa que eu também gostaria de ter visto, já que sou fã do cara.
Para quem foi lá com a intenção de comprar, não faltaram opções. Muitas lojas, muita coisa maravilhosa a venda. Meu coração nerd gritava a cada passo dado. Mas meu bolso gritava mais ainda então acabei me controlando. Mas as opções, meus amigos, as opções eram excelentes. De material de leitura a estatuetas que vão enfeitar sua casa, você tinha de tudo, inclusive produtos exclusivos do evento.
E para quem não gastou nada, ainda sim, valeu a visita. Os expositores trouxeram as coisas mais fantásticas pra galera babar. Hulk e Bumblebee gigantes, estátuas do Homem de Ferro em poses quase dançantes, dioramas lindos de clássicos dos animes/HQs, items e roupas originais usados em vários filmes, e até a armadura do cavaleiro de ouro de Leão em tamanho real, era simplesmente incrível ver tudo aquilo. E nessa brincadeira que eu vejo o item de exposição que me tirou todo o ar. O elmo usado pelo Gary Oldman no filme Dracula de Bram Stoker. Simplesmente pirei.

05122014-360

Outra coisa bem legal que acontecia era ver alguns artistas que iriam na área de fotos caminhando pelo evento até chegar lá. Como por exemplo o Jason Momoa, que em 2 dias fez questão de dar um oi pra galera andando pelo evento, até chegar em sua cabine.
E o cenário independente estava muito bem também, o Artist Alley da CCXP conseguiu colocar mais de 200 quadrinistas independentes em contato com seus fãs !!!
foto2

Os painéis

A outra característica chave da Comic Con Experience foram os painéis. Com os palcos Ultra, Thunder e até a área Business Summit, destinada a palestras sobre negócios, nós tivemos as mais variadas e épicas apresentações. Já no primeiro dia de evento, eu me emocionei tendo a honra de ver meu querido Edgard Vivar, o Sr Barriga, numa palestra linda. Que emoção foi ver o especial do Chaves que fizeram, e as cenas de bastidores nunca antes vistas. Eu sou fã de Chaves desde pequeno, e meu amor pela série e pelos atores continua até hoje. Começar o evento já com esse painel foi a coisa mais perfeita para mim. Ao longo dos 4 dias de CCXP, muita coisa legal foi dada ao público nos painéis (não quero entrar em detalhes aqui porquê eu e o Edu comentamos bastante sobre os painéis no podcast, então, ouça lá para saber melhor sobre eles), mas uma coisa eu quero comentar, talvez o acontecimento MAIS bacana, mais cara de Comic Con mesmo, aconteceu Domingo, no auditório principal. Uma pré-estréia do filme O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos, exclusiva pra galera que foi na Comic Con, e com a presença do Richard Armitage, que interpreta o Thorin Escudo de Carvalho. O quão épico é isso ? Infelizmente eu e o Basso, que estava comigo no dia, não conseguimos lugar para assistir. A pré-estréia seria já de manhã, e mesmo eu tendo chegado lá cedo, houveram outros 2 mil bravos guerreiros que enfrentaram a matina e chegaram antes.
20141207_095938

A experiência da Experience

Bom, evento terminado, dias se passaram, já pude descansar corpo e mente daquela loucura de fim de semana, e acho que agora posso dizer o que achei de tudo isso.
O pessoal do Omelete acertou em cheio em como se fazer um evento aqui no Brasil. Mesmo se não considerarmos a intenção de se fazer algo nos moldes de uma Comic Con, esse evento já ganharia destaque só pelos detalhes que foram pensados, pelos cuidados tomados pensando no visitante.
Agora, vamos ver a CCXP como o evento que nos prometeu a experiência mais próxima possível de uma Comic Con. Eles conseguiram ? Na minha sincera opinião, conseguiram sim. Eu me surpreendi ao ver tudo o que eles trouxeram nesse primeiro ano. Grandes nomes para os painéis, grandes nomes para os meet’n’greet, grandes nomes para o Artist Alley, exposições, lojas, foi tudo perfeito. Eu podia ver o olhar de satisfação das pessoas que andavam pela CCXP, todos, assim como eu, se divertindo, vendo algo novo, que nenhum outro evento aqui já proporcionou. Quero repetir uma coisinha que mencionei antes, não acho que o Brasil seja carente de eventos, principalmente nessa área nerd/geek, mas o quê a CCXP queria proporcionar, nenhum outro evento conseguiu antes.
De modo geral, amigos, eu estou mais que satisfeito com o evento. Se alguém que esteja lendo isso por acaso não foi esse ano, eu mais do que recomendo que você tente ir ano que vem. Já se programe, guarde dinheiro, reserve o fim de semana, se programar desde cedo deixa as coisas mais fáceis. De seus pulos, e vá !!! Porquê a experiência será com certeza excelente.

No fim, a hashtag está certa. #foiepico

Vejo vocês lá ano que vem : )