Falha Crítica 155 – Jessica Jones!!!

Bem vindos!!! Sim jovens, FINALMENTE, nossos heróis Edu, Basso, Harris e Rick, se reúnem pra falar sobre essa serie FODASTICA da nossa querida Netflix! As melhores partes, as piores, as porradas, o Doctor… não pera, o Kilgrave e tudo mais das aventuras da nossa querida Jessica Jones! Confiram!!!

 

Para assinar o nosso podcast no Itunes, vá para:

Falha Critica no Itunes
Para ver nosso feed ou adicioná-lo por e-mail, vá para:
http://feeds.feedburner.com/falhacritica
Curta o Covil Geek no Facebook!!!
Deixe comentários sobre o que você achou do programa! Ou mande um e-mail para contato@covilgeek.com.br

Quer falar com a gente? Então…


twitter-logo-300x168
Logo-Facebook-300x168

  • Salve salve meninos, tudo bem?
    Estou ouvindo o episódio e como já ouvi um dos questionamentos de vocês vindo de várias pessoas (e já pensei muito sobre isso), dei um pause ali em cima e vim aqui dizer o que eu penso a respeito do levantado (leia-se, vim aqui pra causar xD! hahahaha – to brincando! Mas, Basso, senta que lá vem textão, se reclamar vou fazer textão duas vezes, vlw flw!)

    Vocês levantaram um ponto no seriado que é justamente a questão do “prende Killgrave, Killgrave escapa, prende Killgrave, Killgrave escapa, prend…. aaaaaaaaaaaaaaaaah! Porque não mata ele logo? Porque não resolve isso logo? Porque a Jessica não faz isso logo?”. Essa visão parece incentivar uma possível invencibilidade do Killgrave, o vilão abusivo, concordam? Mas nós sabemos que ele não é invencível! E como sabemos? Porque não estamos no relacionamento abusivo, não somos a vítima! Somos espectadores e estamos do lado da Jessica e não dele!!!!

    Vou explicar melhor: em qualquer situação na vida, é muito mais fácil percebemos as pessoas como pessoas e assim vermos suas características e suas falhas, se não estivermos envolvidos com ela. Mas como vocês mesmos apresentaram, quantos de nós já passamos por algum tipo de relacionamento abusivo e, uma vez vítima, não víamos o problema e quando vimos a realidade nos deparamos com aquele pensamento “Mas, caramba, porque? Porque essa pessoa age assim? Porque essa pessoa não entende que isso é errado? Porque essa pessoa não é diferente?”. Em um grau mais perigoso e delicado da psique atingida, a vítima muitas vezes justifica a causa do abuso assumindo a responsabilidade. E não, não faz isso pra chamar a atenção! Parte do processo abusivo consiste justamente nessa desconstrução da personalidade intrínseca a cada ser humano, de forma que ela realmente sinta em cada célula de seu corpo e alimente com a sua mente que a culpa de tudo o que passa é dela. Porque e como acontece? É simples e complexo, mas é possível ver: você xinga alguém, mas depois traz afago, carinho, dá doses de atenção, mas o suficiente apenas para que ela dependa de você. Uma vez que alguém depende de você, se você é um abusador, você tem tudo em mãos. É só agir.

    É mais ou menos por aí, pelo que penso e acredito.

    Ficamos agoniados e vemos diversas oportunidades de Jessica e seus amigos resolverem o problema com o Killgrave de uma vez por todas, mas a questão é: será que a Jessica não precisava realmente ouvir da boca dele que ele controlou a Hope? Será que ela, sendo uma vítima dele, por mais curada que estivesse, não precisava dessa garantia? Vale lembrar que ela só entra na briga por causa da Hope, porque até então ela queria era fugir, ela sabe que não tem forças suficientes para estancar as feridas que ele abre. Que apenas a possível presença ou aproximação ou menção da existência dele promove em seu íntimo. Tudo isso? Consequência de relacionamento abusivo.

    Além disso, uma vez que ela não consegue estar totalmente focada e impessoal na questão de se vingar dele, é realmente difícil que ela consiga agir com raciocínio. E mais, ela não é vilã. Ela não vai matar ele. Isso não é segredo a ninguém, todo herói passa por uma baita de uma odisseia para no final matar o vilão. Mata e se arrepende, mata porque não tem mais opção, mata quando não tem mais o que fazer e sempre parece se arrepender. Porque é tonto? Não! Porque não é vilão!

    Pra resumir tudo isso: acredito que Jessica não usou seus poderes contra o Killgrave para prendê-lo durante todas as oportunidades, porque isso, na concepção dela, nato, é errado. Isso é algo que ele faz. Ela não faz. Ela tenta sobreviver, ela é como um ser humano comum (algo muito bem observado por vocês também no início do episódio, quando salientam sobre a questão do trabalho, achei aquilo demais! Nem tinha pensado nisso, obrigada! ^^)

    E ela não via as oportunidades na hora, porque ela estava envolvida com ele. E nós víamos todos, porque estávamos do lado dela e porque não nos envolvemos com eles. Aliás, quem não chega mesmo a acreditar por um tempo que os pais do Killgrave foram uns idiotas e abusaram dele absurdamente? Cara… é isso que as pessoas abusivas fazem, elas convencem! (E sociopatas e psicopatas e éééééé, essas pessoas ruins aí dos seus passados mesmo!)

    Posso provocar mais um pouco? Okay! Porque a Jessica não resolveu logo e matou o Killgrave? Uai, porque a Tricia não aproveitou a sua fama e gritou na televisão ao vivo que estava de saco cheio da sua mãe e mandou ela pro inferno? Porque a secretária da Trinity (definida assim por vocês! hahahaha) não falou logo no começo “escuta filhota, te amo, te quero, mas larga logo da sua mulher se quiser ficar comigo e eu vou caçar outro trampo!”? Porque o irmão não falou “Sua imbecil, sou seu irmão mas não sou seu objeto! Me liberta! Sua doida!”, porque o Malcolm (é isso né?!) não falou “Não quero me envolver nesse trampo com vocês pra tentar desmascarar o Killgrave já que ele também phodeu com a minha vida!”? Entendem? A lógica faz isso, mas somos humanos e quando em relacionamento, de qualquer tipo, oscilamos entre a razão e reações de sentimentos.

    🙂

    Domenica Mendes
    Podcaster do CabulosoCast, 27 anos, São Carlos/SP

    • Ezequias Campos

      Olha eu ainda nem ouvi o episódio e já valeu a pena pelo comentário da Dô.

      Assinando embaixo aqui da argumentação impecável dela.

      • Rodrigo Basso

        Puxa saco.

        • Ezequias Campos

          E eu sou o veio chato!

          • Vem cá, Ezequias! Deixa a concorrência de lado e me dá um abraço!
            hahahahahahaha
            xP~

          • Ezequias Campos

            Pois é, Dô, eles não entendem.

          • Liga não, passô, passô! 😀

          • Rodrigo Basso

            Concorrência? Quando o Covil já foi concorrência para o Cabulosocast?!?!

          • Quando você se auto declarou “vulgo a concorrência”.
            Não vem disfarçar agora não! xP Nada de #mimimi! hahahaha Quer abraço também? HAHAHAHAHAHA

      • Puxa saco 2 (by Edu)

    • Adorei Domenica, ótimo ponto de vista, tinha que ser veterana do Edu mesmo!