Covil de Livros 67 – Frankenstein




Bem-vindos, amigos, ao Covil de Livros! E peçam para seu ajudante Igor arrumar sua bancada de trabalho de cientista maluco, pois BassoEdu e Bia (do podcast Ponto G) vestem seus aventais e bisturis para conversar sobre FRANKENSTEIN! Escrito por Mary Shelley e publicado em 1818, o romance é considerado o pioneiro de Ficção Científica, sendo um dos principais livros modernos de terror.

Neste podcast: saiba como não passar vergonha ao chamar o monstro de Frankenstein; aprenda que Victor seria um péssimo pai (e marido); discuta a dinâmica entre Criador e Criatura e nossa relação com o divino; e perceba como nossos podcasters sabem muito pouco sobre Sci-Fi!!!

Agradecemos a participação da Bia e convidamos todos a ouvir o podcast:

t9n67mh3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quer falar com a gente? Então…

itunes logotwitter-logo-300x168Logo-Facebook-300x168Feedburner-logo-300x225

 

 

Ou mande um e-mail para COVILDELIVROS@COVILGEEK.COM.BR

  • Gustavo Bacelar

    Estou lendo o livro e ouvindo o cast (Essa é nova).

    Muito bom.

    Para aqueles que quiserem entrar em contato com o Basso,
    o endereço dele é: Estrada para a Transilvania, pega a primeira esquerda, passa pela taberna Marco do Percurso, ande uns dois km, atravesse a Vila dos Hobbits no Condado, vire mais algumas páginas, encontre o consultório do Doutor Simão Bacamarte, ache a rua 221B Baker Street, London e é la que você vai encontrar o Basso e o Edu, nas páginas dos melhores livros que vão ser trazidos para nós.

    Seguro social do Edu? Isso é um desafio? Manda um mais fácil que eu descubro haha.

    • para de mentir, o endereço do basso, é setimo circulo do inferno, poltrona, Ele tbm atende por Tio Lu ou Digão

  • Isa Prospero

    Fala, pessoal!
    Ri muito com esse cast. Também não é um dos meus livros preferidos… O Victor é muito burro e omisso, que raiva. Vai lá lidar com as merdas que vc faz, jovem!!
    Mas me impressiona que a Mary Shelley escreveu o livro com 20 anos – apesar das descrições serem meio exageradas, ela escreve super bem. E acho que ela dá a desculpa perfeita para não explicar o processo da criação do monstro: não espalhar a ~receita pra ninguém por aí refazer. Se livrou da necessidade de explicar em detalhes e deixou a história mais verossímil ao mesmo tempo. Genial!